.
.
.
.................................
Aqui a poesia é amadora. A música e a fotografia, amadoras. Tudo dentro deste peito é amador.

.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Sobre meninos



Há um único momento, talvez dois no máximo, dentro de uma vida inteira em que sentimos o flutuar dos próprios pés contra a nossa fragilidade de ser grande. Já não voamos mais. Tem esse garotinho sentado na calçada e que brinca sozinho, sua solidão é tão dedicada e mesmo assim, curiosa, me aproximo e o chamo de meu doce. Ele ergue a cabeça contendo dois grandes olhos brilhantes e castanhos desconcentrados em mim, e diz, com a voz propositadamente engrossada de homem: meu nome é Murilo. Porque há este outro grande momento em não ser de ninguém e que é dele. Entre os galhos e folhas secas de árvore, uma única flor amarela de Ipê comandava seu grande exército imaginário.



fotografia | Zi



quinta-feira, 6 de abril de 2017

A ti











Pudesse ser que fosse apenas um outro dia em que um afunilado raio de luz se atreveu e nos alcançou tão longe que somos. E toda a mornidão que cobriu os nossos pés e avançou pelo nosso corpo nos amedrontando de claridade, fosse apenas uma gripe. Pois que não penso acordar os últimos pássaros que vieram e pousaram sempre tão breves. É dentro do teu abraço que o vento é mais mais forte e sem entrega. Meus cabelos caem voando e as asas dos pássaros desfiam azuis. Pudesse ser que eu imaginasse. Precisamente, amanhã acabou.






domingo, 5 de junho de 2016

é algo como isso e fim

Escrever é quase medo.
Não ficar.
Canto algum.
Um lugar. Lar. 
Pocilga.
Flor. 
Escrever é um não perdoar para perdoar. 
Um confronto. 
Faca. É o fundo.
Sofrer de cor, de palidez.
Absolvição. 
É um bode colorido. 
Perdoável.
È um bode. É Chagall. 
É para os grandes.
É a esquina, o boteco, chão, teto, é teto e chão.
É solitário.
Sagrado.
Não mete-se. 
É sério, piada.
É o copo. 
É a taça. 
O meio vazio.
É o cheio.
Escrever é depois. 
Não eu. 
É Machado.
É antes do possível.
A página no lixo embolada.
É o peito líquido.
Fatiado peito.
É a vela. A veia.
Alforria. 
Alegria. Embriaguez. 
É lama. 
Chão. 
É Dalí e Dumont.
As estrelas de Bilac.
É quase fim.
É quase.
E eu não gosto do som elétrico desta palavra.