.
.
.
.................................
Aqui a poesia é amadora. A música e a fotografia, amadoras. Tudo dentro deste peito é amador.

.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Poeira

Fotografia: L!P_RJ
José tinha tudo de seu dentro daquela casinhota. Tinha fogão de lenha, lençol com cheiro de limpo, passarinho nos galhos da goiabeira na beira da janela. Tinha Cícera de flor no cabelo. Tinha Cícera cosendo. Tinha Cícera pregando os botões da sua camisa. Tinha Cícera... Tinha os meninos seus e de Cícera correndo descalços, levantando poeira na estrada. Tinha cheiro de feijão de corda cozido. José tinha tudo. E trabalho duro na roça também. Ele não sabia mas comia batata com gosto de batata. E tinha Cícera de peito suspirado à sua espera. Tinha também na cabeça que achava difícil aquela vida no mato sem conhecer outra. Tinha também de voltar da lida todo dia pela estrada parando de armazém em armazém com o cachorro faísca acompanhando atrás. Tinha de ir engolindo cachaça com poeira e amargura para esquecer do que tinha. José... Coitada de Cícera e da vida no mato. José vivia mais era de ter que afogar peixe pro almoço... Todo dia.

13 comentários:

  1. Cícera... e ela, tinha José?
    Nossa, achei a foto linda, foi você quem tirou?

    ResponderExcluir
  2. É impressionante como tanto tudo pode não completar.

    ResponderExcluir
  3. Bem, eu tenho temido mudar, Porque eu construí minha vida ao seu redor, Mas o tempo traz coragem; crianças envelhecem, Estou envelhecendo também.(sinopse do meu blog)
    Acessa o meu blog?
    "Crianças Envelhecem"

    http://criancasenvelhecem.blogspot.com/

    Espero a sua visita, se gostar do meu blog, segue lá, ficarei muito feliz.
    Desde já obrigada, tenha uma ótima semana.
    Atenciosamente Dinha".

    ResponderExcluir
  4. Eu acho que todo homem já nasceu José. Ou todo José, homem.

    Tinha você de flor no cabelo. tinha você.

    Feliz 2012 Zi, Deus continue te abençoando com esse dom. Felicidades.

    Abraço de urso

    ResponderExcluir
  5. José tinha que aprender a olhar para o todo, mas não conseguia ver.
    Ótimo 2012 Ziris!!
    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Sofia!

    Não, Cícera não tinha a José, que tinha além de muito vasto buraco em si, a vontade de enchê-lo.

    Não Sofia, a foto não foi registrada por mim, mas linkei o Flickr do autor. Dá um olhada lá, ele é muito bom.

    Um beijo pra vc! Obrigado por vir e volte.

    ResponderExcluir
  7. Dinha!


    Pode deixar, eu irei. Bjs

    ResponderExcluir
  8. Beré e seus subterfúgios...


    Imagina que exista quem veja o que possui??? Existe.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  9. Carol!

    José não tinha as lunetas que possuímos no olhar... Que pena da Cícera e da vida no mato.

    Te abraço forte querida...

    ResponderExcluir
  10. De José e Cícera temos um pouco todos nós.
    De vazios e vontade de enchê-los vamos nos encontrando...

    Um beijo meu, Zíris!

    P.S.: A Pipa me deixou tocar o teu carinho por ela. Gostei tanto que usei como introdução para meu último texto: http://re-nascimentos.blogspot.com/2012/01/entre-tenues-notas.html. Lá está minha gratidão, as duas por terem almas tão bonitas e igualmente generosas.

    ResponderExcluir
  11. "-Vamo voltar pra casa Bento Portifírio!?
    -Já já.
    - É só o tempinho deu pegar aquele dourado dançante que prancheou ali agorinha mesmo!"

    Guimarães Rosa


    A maneira como suportamos o vazio é o que determina se merecemos que ele se encha.

    E tendo aprendido com esta guia espiritual à distância.

    Te amo, Ciça!

    ResponderExcluir
  12. José é feliz e não sabe.

    Mas não é só ele. Então, se as contas estão em dia e a saúde dos que amamos, também, melhor assumir que se é feliz. Para não se descobrir isso quando já não mais se é.

    Beijo, Zi

    ResponderExcluir
  13. Ahh esse José.
    Gosto desses minicontos trazem tantos regressos nossos, né?
    Beijos

    ResponderExcluir